Sensações Veteranas

17 de fevereiro de 2013
Depois de muitos dias de espera de meus ansiosos leitores, estou aqui novamente, para compartilhar meus pensamentos e atos. Hoje estou afim de falar sobre umas sensações que estão me incomodando muito ultimamente, e cá entre nós, sensações que me faz parecer um ser humano pior. Sabe quando você chega naquela etapa importante da vida, onde você deixa de ser um calouro e vira um veterano no Instituto que estuda? Estou nissoaê. Não, eu não estou no Ensino Superior (AINDA). Estou no sofrido Ensino Médio do Instituto Federal do Espírito Santo , chegando com sorriso na boca e mochila nas costas para o terceiro e penúltimo ano para conquistar o meu diploma. Mas mesmo assim,estou experimentando essas novas sensações de veterianidade aguda, e uma baita vontade de realizar uma calourada no fim da tarde de uma sexta-feira tediosa e cinzenta (quem nunca, né?).

Antes de começar minhas confissões sobre os assunto, vamos familiarizar o leitor sobre esse tópico, trazendo uma definição de VETERANOS e CALOUROS, aprovada pelo Ministerio de Filmes Americanos Teenagers Como American Pie e High School Musical:

***********************************************************
VETERANOS: Após terem passado por poucas e boas no primeiro e segundo ano, o veterano chega com ~aquela~ caminhada da vitória, com um sorriso estampado na cara dizendo "EU SOBREVIVI" e quer mostrar isso a todo mundo através de suas maldades, principalmente com os calouros. Como estão no topo de hierarquia escolar, eles infernizam a vida dos estudantes mais novos, sem medo das consequências  pois os professores pensam "Já tive essa idade!" e deixa por assim mesmo e tchuns e tchans.  Entre suas perversidades mais conhecidas estão: a guerra dos biscoitos, azaração no corredor da escola, calouros no latão de lixo,  raspação da cabeleira do zezé,entre outros.

BIXOS: Conhecidos também como "calouros",  são os que estão abaixo do que qualquer classe estudantil. Você pode ser um cocô, ter uma mãe prostituta, um pai esquizofrênico, ser drogado e por isso ir na Estação Zoo todos os dias para conseguir 45 mangos pra uma picadinha (DETLEF, EU TE AMO!), mesmo assim no ponto de vista da Monarquia Escolar, não sendo um calouro, está tudo certo. Estudos de pessoas especializadas no assunto, revelam que esses seres costumam ser estudantes do primeiro ano de qualquer curso, andam em  bando, se perdem na escola e erram os nomes dos professores. Seus principais predadores são os veteranos (leia acima).  Entre suas opções para sobreviver aos primeiros dois anos estão: pucha-saquismo profissional, tenha uma cara de um matador de idosos e/ou obtenha o kit "Calouro Contente: Guia para você sobreviver no Ensino Médio/Superior" (o kit contém: 01 capacete, 01 canivete suíço, roupas de segurança, 01 capa de invisibilidade do Harry Potter  e 03 saquinhos de glicose para casos de coma alcoólicos obrigatórios *UFOP FEELINGS*). 
*********************************************************

Pois bem, depois dessa definição esclarecedora, vamos direto ao ponto: vai e volta estou sentindo umas sensações veteranas no meu organismo. Poderia procurar um médico, psiquiatra e até mesmo um exorcista pra tirar logo esse sentimento que me consome, mas não, resolvi publicar todas as minhas frustrações aqui, no espaço acolhedor chamado 'internet', mais especificamente no meu blogue.

O lance é que até o ano passado, sempre repudiei qualquer ato de veteranos contra calouros, e achei que nada justificava o que cometiam. Mas, cheguei no terceiro ano e TCHARAM::::: O veneno se dissipou em minhas veias. Não que eu concorde com grandes partes dos trotes feitos em universidades, pois a maioria são cruéis e desnecessários, mas já consigo entender o porquê de uma certa raiva natural contra os ditos-cujos.

Essa compreensão súbita veio à tona graças a breves momentos passados nesses primeiros dias de aula (e alguns do ano anterior também). Coisas banais como: QUEM É VOCÊ PRA ABRAÇAR O MEU PROFESSOR PREFERIDO? SE ENXERGA CARA, TU NEM CONHECE ELE/ELA DIREITO ou QUEM VOCÊ ACHA QUE É PRA FICAR OCUPANDO AS MESAS DA CANTINA E OS COMPUTADORES DA BIBLIOTECA? ou ainda VOCÊ ESTÁ NO PRIMEIRO ANO, NÃO SABE NADA DO QUE É RALAR NESSA PORCARIA DE ESCOLA, VAI CAÇAR UM SERVIÇO e para finalizar O QUE QUE ESSE BANDO DE PATRICINHA ESTÃO OLHANDO? POR QUE ESTÃO FELIZES? POR QUE ESTÃO RESPIRANDO? E ESSE AI COM ESSA MARRA TODA ACHANDO QUE É O DONO DO PEDAÇO? AFFFFF

É claro que já sentia esses ciumes desde o ano passado, mas o que está evoluindo em mim chega a ser algo sobrenatural. Vontades de fazer coisas ilícitas. Provocar confusões. Mostrar a minha superioridade como veterana, SHOWING TO ENTIRE WORLD que eu sei muito mais sobre aquele local e sei muito mais o que estou fazendo nessa bagaça. E nesses pensamentos sórdidos, nessas vontades de burlar as regras e demonstrar minha superioridade, que acabo fazendo... besteiras.

Auditório no momento cívico é o local e momento perfeito para nós, veteranos, aprontarmos uma de nossas travessuras clássicas: A GUERRA DO BISCOITOS (SE VOCÊ NÃO CONHECE A HISTÓRIA DA GUERRA DOS BISCOITOS VEJA AQUI: wikipédia/guerra_dos_biscoitos).  Nada melhor do que pegar o seu Negresco, mirar na cabeça de uns cinco alunos do primeiro ano e rir maleficamente da sua vantagem de ser o topo da hierarquia escolar (PAOLA BRACHO FEELINGS hahhaahhha).
O difícil é quando você percebe que não tem biscoitos, e mesmo se tivesse, não sairia jogando por aí por que você está com fome, e sua barriga ronca (A Maldade Suprema tem seus limites). Sim, e foi isso o que aconteceu comigo e com a Maris Pedris (achavam que ela é inocente?? pobres almas ingênuas) em nossa primeira tentativa falha de zoação com os calouros.

Ou pior, quando eu, sozinha e renegada pelos meus companheiros decide encarar um corredor cheio de calouros, de nariz em pé e tentando andar na passarela como uma deusa para mostrar "estou sozinha porém continuo glamourosa" (aprenda nesse video) MAAAAAS graças às aventuras da vida, meu pé estava todo ferrado, então ao invés de andar como a Gisele Bündchen em questão, eu fiquei mais parecendo uma louca de cabelo azul tendo uma convulsão epiléptica. (Mas ok! Sou veterana, e eu POSSO, ok?!, meu bem...)

Não sei quais mais experiências terei como veterana maléfica nesse ano e no ano seguinte, e sei muito menos se vou compartilhá-las aqui no FS. Mas estou começando a achar que essa posição de poder e glamour dos veteranos são só em filmes ou no Ensino Médio. Ou quiçá, eu não sirva para fazer parte desse grupo tão almejado. Só resta rezar então... 

2 comentários:

Sempre tento responder os comentários. Se quiserem ver a minha resposta, deem um checadinha!! ♥♥♥♥

Tecnologia do Blogger.
Back to Top